Usando Tesouros Celtas

Fluí pelas brumas do tempo…
Submergida por águas e Terras Celtas.

Cobri-me de magia –
Brilhando em memórias de ancestralidade
Numinosa, descobrindo na Natureza
O Coração Totémico de Dana.

Dentro da Terra,
Dentro de mim mesma,
Tesouros dançam na escuridão
Segredando-me –
Os mistérios da criação em símbolos
De prata e ouro bordados a linha e agulha…

São Fadas – Pássaro!
Mulheres de transformação libelinha!
Nove flores que se transmutam num corpo
De femininas vestes!

Espiralares nas suas fusões –

Artefactos e lendas que adornam
E adoram o meu peito,
Cintilando na beleza dos dias eternos
Num eco à infinitude do Amor.

Margarida Marcelino
Damaia 08 de Maio de 2013

Advertisements